Moscatel de Setúbal Cognac DSF

MOSCATEL DE SETÚBAL COGNAC 1998

COLECÇÃO PRIVADA DOMINGOS SOARES FRANCO
D.O.C. MOSCATEL DE SETÚBAL

Representante mais novo da sexta geração da família que desde a fundação preside aos destinos da José Maria da Fonseca, Domingos Soares Franco é, para além de vice-presidente, o enólogo principal da empresa.

Embora assine todos os vinhos da José Maria da Fonseca, existem uns que reserva para si como especiais. Chamou-lhes Domingos Soares Franco – Colecção Privada. Estes vinhos resultam da combinação de três factores: a sua formação em Davis e a influência do seu Tio; o terceiro é disponibilidade dos 650 hectares de vinhas da José Maria da Fonseca e a colecção, única em Portugal, de castas nelas plantadas.

Em 1998, Domingos Soares Franco decidiu que era altura de evoluir no Moscatel de Setúbal. Então, iniciou 5 anos de ensaios em que, com uvas da mesma vinha fez vinho com 4 tipos de aguardentes diferentes: uma neutra, outra de origem da região de Cognac, outra de origem da região de Armagnac e um quarto lote com 50% destas últimas. Após 5 anos lançou-se a do Armagnac e 13 anos mais tarde lançou-se uma edição limitada do Moscatel de Setúbal com Cognac.


FICHA TÉCNICA

REGIÃO

PENÍNSULA DE SETÚBAL

ÁREA DA VINHA

-/-

ARGILO-CALCÁRIO

PRODUÇÃO

5.400

PRODUÇÃO DE VINHO

ENGARRAFADO

2016

MARÇO

CASTAS

100

MOSCATEL SETÚBAL

ANÁLISES

17.8

TEOR DE ÁLCOOL

6.22

ACIDEZ TOTAL
(ÁCIDO TARTÁRICO)

3.09

pH

199

AÇÚCAR RESIDUAL

CONSERVAÇÃO

12º

TEMPERATURA

60

HUMIDADE

LONGEVIDADE

-/-

LARGOS ANOS

NOTAS DE PROVA

COR

Âmbar brilhante

AROMA

Cítrico, laranja e esteva.

PALADAR

Laranja, cítrico, redondo, fresco, persistente, cheio de personalidade.

FINAL DE PROVA

Muito longo

VINIFICAÇÃO

Fermentação é parada com adição de aguardente Cognac. O vinho tem uma maceração pelicular de 3 meses.

MODO DE SERVIR

Como aperitivo a 10ºC ou, vinho de sobremesa, a uma temperatura de 16ºC.


content